Mulheres no Front in Floripa 2016

postado em 01 Dec 2016

Mulheres no Front in Floripa 2016 Mulheres no Front in Floripa 2016

Em 2015, poucas mulheres participaram do maior evento de Front-end de Santa Catarina. Esse ano não poderia ser assim de novo. Determinados a fazer sua parte para diminuir a desigualdade de gênero na tecnologia, o Front in Floripa se uniu com o JS4Girls e as Anitas. O esforço deu certo: 25% do público do evento eram mulheres e eu tive a honra de palestrar.

No geral não tenho problemas com palco, mas é claro que sempre tem um frio na barriga pela responsabilidade de representar um gênero inteiro ali em cima: se um rapaz tem uma palestra que não é muito divertida, foi “a palestra do fulano”. Se é uma guria, é que “mulher não manja mesmo”. Não digo isso pela organização do evento nem nada, é só uma coisa que acontece na conversinha paralela e que contribui para nossa insegurança na hora de ter os holofotes. A primeira coisa que eu fiz foi desconstruir isso: botei na minha cabeça que eu não preciso ser perfeita.

Frio na barriga e responsabilidade Frio na barriga e responsabilidade

Sem precisar ser perfeita tudo ficou mais fácil. Sabe, quando ficamos ansiosos a adrenalina aumenta, você fica em estado de alerta, pronto para “fugir” e seu foco se fecha para você ver uma coisa só. Mas quando você se acalma, consegue olhar o todo e encontrar saídas criativas para o problema, improvisar. Desconstruindo que precisava ser perfeita, fiquei calma o suficiente para mandar bala.

Tive a oportunidade de falar um pouquinho do Anitas no começo. Expliquei sobre o projeto e porque ele é importante. Usei um exemplo que gosto muito: na tecnologia, mulheres são o passarinho na mina de carvão querendo dizer: gente, acorda! Estamos em um ambiente tóxico e somos apenas o sintoma. Se continuar assim, vai fazer mal para todo mundo!

Você pode ver o vídeo aqui ;)

A palestra em si foi incrível :D. Falei um pouco sobre design, para que os programadores entendam seus designers e trabalhem melhor juntos. Sobre como transformar o design em um HTML + CSS melhor. Todo mundo riu das minhas piadas e acessaram os slides, vieram até conversar comigo depois. Fiz amizades novas, conversei até com o câmera (ele gosta de Star Trek também) e foi memorável <3

Como deixar seu designer feliz Como deixar seu designer feliz!

As colegas Michele e Lahana do JS4Girls Floripa As colegas Michele e Lahana do JS4GirlsFloripa

Espero ter outras oportunidades de palestrar novamente e dar coragem para outras mulheres. Quero ajudar na representatividade, quero que pensem “se tem uma menina gordinha, mancando, arrazando lá no palco, eu também posso”. Quero ver metade das mulheres como palestrante, e não só uma, e metade do evento de mulheres e não 1/4. Vamos nessa?

Mais fotos do evento aqui!

Marta Preuss trabalha como webdesigner há dez anos e ainda tenta entender porque é tão difícil deixar a mulherada trabalhar.